Saiba Mais

O que o Dia Mundial do Livro tem a ver com a Papelaria?

Há propósito, eu estava pensando na importância da leitura, como ela proporciona aprendizagem, o quanto ela permite que você se “teletransporte” para determinada história, se veja em determinado personagem e o quanto psicologicamente ler é algo saudável, coisas que muitos já sabem.

O tema de hoje surgiu na interação por mensagens no perfil do Instagram da Corini, o texto tem o propósito de trazer um pouco sobre a história do livro, as técnicas que facilitaram o acesso dele e uma pergunta que lançamos lá, sobre como as pessoas geralmente usam marcadores nos livros.

Pesquisando um pouco sobre a origem do livro nos deparamos com o surgimento do papiro (que originou o termo livro), do pergaminho e do códice (quando se começou a pensar no livro como objeto), quando começou a impressão de livros, isso lá na Idade Média, que era basicamente gravar em blocos de madeira o conteúdo de cada página do livro, esses blocos eram mergulhados em tinta, e o conteúdo transferido para o papel, produzindo várias cópias. Era um processo manual, lento e árduo, eis que surge então os blocos em metais, chamados de tipos; o pai dessa invenção toda foi Gutenberg (vale a pena pesquisar sobre esse cara aí), esse processo tornou-se mais rápido e massificado a impressão.  Uma curiosidade: o primeiro livro impresso nessa técnica foi a Bíblia em latim.

A história do livro por si só, daria um belo texto, com grandes nomes da história, mas a intenção aqui é uma breve pincelada.

Marcar livros

Aos amantes da leitura, sendo mais específica em livros físicos, propus uma pergunta: como as pessoas usam marcadores na sua leitura? Seja ela, marcando onde parou ou sinalizando partes importantes. Vendo por cima, temos alguns grupos: os que utilizam marcadores em papel,  sinalizando a parte que pararam a leitura, e o outro grupo que utiliza marcadores de caneta em seus livros, esse último causa um apavoro no primeiro grupo. 

Marcadores de Papel

Há quem ame um brinde, e os marcadores de livros estão entre os brindes que mais vejo por aí, até nós aqui da Corini já disponibilizamos esse tipo de brinde por ser muito útil. Outro tipo de marcador de papel, são os papéis colantes usados para anotações, os famosos Post It, que além de ter uma função de lembretes, são perfeitos para marcações de páginas e grifos em geral.

Marcadores em Caneta

A escrita pode ser libertadora, e a galera que utiliza dessa forma, utilizam desde lápis, caneta e marca-texto, que é o tema de agora. Há um tempo atrás, os marca-textos ou grifa-textos, eram na maioria das vezes sem graça, amarelos ou verdes neon; o mercado da papelaria inovou o conceito de marca-texto, lançou cores novas, modelos novos, composições novas e até novas utilidades dos marcadores (isso abre pauta para outro assunto hein, de como os marcadores podem ser utilizados em desenhos e composições artísticas). A disposição de marcas é imensa, e uma novidade são os marcadores que além de marcar, apagam, sim, isso mesmo, você grifa seu texto e depois com uma ponta própria você consegue apagar, isso graças a composição da tinta e a tecnologia da ponta que apaga.

Independentemente de como você marca/sinaliza seus livros, esse hábito que é adotado por muitos, imortaliza o leitor, revela que alguém esteve ali, leu, se deixou tocar por alguma coisa, boa ou ruim e está deixando esse sentimento para os próximos leitores da peça em questão.

Se ainda não te convencemos a marcar seus textos, seja ele por blocos de anotação ou canetas, sugiro você conhece nosso site e se encantar com mil possibilidades!

É isso aí, não estou fazendo publicidade não, é de coração essa dica.

Equipe Corini/Mis

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *